Quem Somos

Na década de 60 Curitiba tinha uma interessante produção teatral

O governo do estado do Paraná subvencionava junto ao Teatro Guaíra a companhia TCP -Teatro de Comédia do Paraná e convidou como diretor artístico o saudoso ator Claudio Correa e Castro. Diversos espetáculos com produção cuidadosa foram montados, destacando-se ‘Um Elefante no Caos’ de Millor Fernandes; ‘A Megera Domada’ de William Shakespeare; ‘As Colunas da Sociedade’ de H. Ibsen; ‘Schweik na II Guerra Mundial’ de B. Brecht; ‘Tio Vânia’ de A. Tchekov e em 1.969, uma superprodução ‘O Livro de Cristóvão Colombo’ de P. Claudel, com direção de Ivan de Albuquerque. Conhecidos artistas de nossa cidade integravam o elenco desses espetáculos, tais como Lala Schneider, Maurício Távora, Joel de Oliveira, Sale Wolokita, José Maria Santos, Edson e Delcy D´Avila, Odelair Rodrigues, Sansores França, Aluizio e Luciana Cherobim, Christo Dikoff, além de atores e atrizes de visibilidade nacional, especialmente convidados para comporem o elenco como Nicette Bruno, Paulo Goulart, Miriam Pires entre outros.

O Teatro Guaíra também mantinha o CPT – Curso Permanente de Teatro, curso livre que formou uma geração de talentosos atores e atrizes, como Luis Melo, João Luiz Fiani, Nena Inoue, Edson Bueno, Raquel Rizzo entre outros, além de promover palestras e oficinas com diversos profissionais, estimulando o interesse de artistas nas áreas de cenografia, iluminação, sonoplastia, figurinos e, também, técnicos em espetáculos (camareiras, cenotécnicos, contra regras, costureiras de espetáculos, operadores de luz e som).

Além dessa movimentação teatral, o extinto Canal 6 produziu uma programação de teledramaturgia, onde eram gravados ao vivo e, mais tarde, em video-tape especiais de tele-teatro e novelas, entre elas, ‘O Direito de Nascer’, um grande sucesso daquela época e estrelada pela atriz Odelair Rodrigues na personagem de mamãe Dolores e outros nomes do teatro paranaense: – Airton Muller, Sinval Martins, José Basso, Lurdes Bergman, Clovis Aquino e outros já citados acima.
Na produção teatral independente algumas companhias montavam espetáculos, geralmente de gênero cômico e se apresentavam com grande sucesso popular no extinto Teatro de Bolso na Praça Rui Barbosa. Foram elas as companhias de Ari Fontoura, Roberto Menghini, Cícero Camargo de Oliveira, Edson e Delcy D´Avila, José Maria de Almeida e Lea Benvenuto.O movimento de teatro amador também brotava nos anos sessenta. No Colégio Estadual do Paraná foram criados os grupos TGCEP -Teatro Grego do CEP, dirigido por Maria Lambros Comninos e o GRUTA -Grupo de Teatro Amador do CEP, dirigido por Telmo Faria.

Após o golpe militar de 64, muitos grupos de teatro amador e estudantil montavam espetáculos contestadores com conteúdo político-social contra o sistema vigente.
O Centro Popular de Cultura -CPC – promovia espetáculos com ideologia claramente esquerdista; O TEP – Teatro do Estudante do Paraná também teve uma atuação expressiva com direção de Armando Maranhão sendo uma das montagens históricas do grupo a encenação de ‘Entre Quatro Paredes’, de Jean Paul Sartre, além de diversos espetáculos para o público infantil. Outro grupo que marcou a cena curitibana foi o ESCALA – Laboratório de Cultura criado por Oraci Gemba, Christo Dikoff, Emilio Pitta, Danilo Avelleda, Reynaldo Camargo, Marta Moraes da Costa, Lota Moncada. Estrearam a peça ‘Chapéu de Sebo’, de Francisco Pereira da Silva, em 1967, no Guairinha com excelente receptividade de público e crítica, chegando a receber convite para se apresentar no Festival de Teatro de Nancy, na França. O ESCALA também montou ‘Auto de Fé Ocidental’ em 1.968 e ‘As Criadas’ de Jean Genet, em 1.969. Neste período, Denise Stoklos e Antonio Carlos Kraide iniciavam suas carreiras junto ao grupo. Registre-se também a atividade do Teatro do SESI e do grupo XPTO.

 

ANOS 70

Em meados dos anos setenta, munidos de idéias e sonhos um grupo de amigos de artistas e técnicos profissionais e amadores em artes cênicas reuniram-se para discutir a possibilidade de fundar uma associação que iria representar os interesses da classe cênica do Paraná.

Nessa época o país atravessava a mais grave repressão da ditadura militar. Greves, manifestações públicas eram violentamente reprimidas em todo o território nacional, atingindo diretamente a criação artística em todo o país. Quanto maior a repressão maior era a reação e o crescimento da produção artística.

Se fazia necessário a soma de forças e união da classe artística para a definição de rumos profissionais para a criação de políticas públicas para a área.
Assim nasceu a APATEDEP – Associação Profissional dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões no Estado do Paraná, fundada em 1.976, em Curitiba com a eleição dos seguintes membros: Sansores França (presidente); Waldyr Manfredini (vice-presidente); Idelson Santos (secretário); Lala Schneider (tesoureira); Delcy Franco D´Avila, Dudu Barreto Leite, José Basso (suplentes de diretoria); Edson D´Avila, Esmeralda Silveira, Yara Silveira (conselho fiscal); Clovis Aquino, Lafayete Queirolo, Maria Cristina Lelis da Silva (suplentes de conselho fiscal). A ata da Assembléia de fundação da APATEDEP foi assinada por 63 representantes dos produtores e trabalhadores das artes cênicas de Curitiba e do Paraná.

Com a expedição do registro de Associação Profissional assinado pelo Delegado Regional do Ministério do Trabalho do Paraná em 09 de setembro de 1.976 era legitimada a APATEDEP como entidade representativa da classe cênica paranaense, permanecendo por mais de cinco anos na defesa dos interesses da classe artística a nível nacional.

Esta militância paranaense contribuiu a nível nacional na promulgação da Lei 6.533 em 24 de maio de 1.978 que regulamentou a profissão de artistas e técnicos em espetáculos de diversões promovendo para a categoria a segurança a que tinham direito como pessoas e como cidadãos. O decreto que regulamentou a lei foi assinado em 05 de outubro de 1.978 pelo presidente da república, Ernesto Geisel e pelos ministros Arnaldo Prieto, Ney Braga e Armando Falcão. Importante ressaltar a participação dos paranaenses nesta conquista, em especial ao casal Aluizio e Luciana Cherobim.

 

ANOS 80 – Nascimento do SATED/PR

Na década de 80 os produtores e trabalhadores em artes cênicas do Paraná sentiram a necessidade de que a APATEDEP obtivesse um fortalecimento como entidade representativa da classe tendo como base territorial todos os municípios do estado do Paraná e a visibilidade em todo território nacional.

Foi encaminhada ao Ministério do Trabalho a solicitação/requerimento de reconhecimento de Associação para Sindicato de trabalhadores, o que foi aprovado em Carta Sindical expedida pelo ministro Arnaldo Prieto em 22 de dezembro de 1.981.

A primeira diretoria foi empossada em 13/05/1982 com os seguintes membros:- Aluizio Estanislau Cherobim (Presidente); Willian Ozório (vice-presidente); Luciana Maria Helena Küster Cherobim (1ª secretária); Luiz Alberto Webb (2º secretário); Lúcio Togo Mange (1º tesoureiro); Alcir M. Bay (2º tesoureiro); Conselho Fiscal Efetivo: Eddy Antonio Franciosi, Leonilda Chessa e Delcy Franco D´Avila; Conselho Fiscal suplente: Eloá R. Teixeira, Elon Garcia e Marilu Silveira. Como Delegados Representantes junto a FTEDCA: Aluizio Estanislau Cherobim e Eloá Teixeira (efetivos) e Willian Ozório e Eddy Franciosi (suplentes).

Nestes 32 anos de seu reconhecimento pelo Ministério do Trabalho como Sindicato de Artistas e Técnicos a entidade teve como presidentes, além de Aluizio Cherobim em dois mandatos (1.982 a 1.984 e de 1.990 a 1.993) Lucio Togo Mange, ator mais conhecido como palhaço Gabiroba (1.984 a 1.987); Yara Moreira de Moraes Sarmento (1.987 a 1.990); Grazianni Branco da Costa (dois mandatos de 1.994 a 2.000) e, Christo Dikoff, em seu quarto mandato que iniciou em dezembro de 2.000 com término em dezembro de 2.016.

A atual diretoria do SATED/PR eleita em dezembro de 2.012 é composta dos seguintes membros:- Christo Dikoff (Presidente); Eliane Berger (vice-presidente); Magno Augusto Mikosz (1º secretário); Jane Franco D´Avila (2ª secretária); Shirley Terezinha da Conceição (1ª tesoureira); Annunciada Lucia de Lima Oswald (2ª tesoureira); Conselho Fiscal efetivo: Ivanise Medeiros de Albuquerque Garcia, Jesuína Aparecida (Geisa Costa) e Luiz Afonso Burigo; Conselho Fiscal suplente: Anne Shirley Aurélia Brasil de Araújo, José Wanderley Lopes e Rosemari Magdalena Brack; Delegados Representantes junto a FTEDCA-PR: Jane Franco DáAvila e Vanderlei Serafin (Jewan Antunes) – (efetivos) e Christo Dikoff e Magno Augusto Mikosz – (suplentes).

O SATED/PR é filiado e participa ativamente do FÓRUM DAS ENTIDADES CULTURAIS de Curitiba e do Paraná com a representação da vice-presidente, Eliane Berger como atual coordenadora e de Jewan Antunes (delegado representante junto a FTEDCA/PR) como secretário do Fórum. A atuação do Fórum junto aos órgãos públicos municipais e estaduais é intensa principalmente na defesa pela criação de uma política cultural transparente e eficiente, mantendo um diálogo com todos os representantes das áreas da arte, cultura e educação e com o poder público. A principal luta do Fórum é pela criação e manutenção digna de um mercado de trabalho para os profissionais- artistas e técnicos -, junto as Leis de Incentivo a Cultura da Fundação Cultural de Curitiba e da Secretaria de Estado da Cultura.

 

Histórico da participação do SATED/PR a nível municipal, estadual e federal

• Instituição do Troféu ‘Gralha Azul’, destinado aos profissionais de teatro que mais se destacaram no ano. O Prêmio foi criado em 1.979 por Delcy e Edson DáAvila, juntamente com Yara Sarmento, através da APATEDEP -Associação Profissional de Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões no Estado do Paraná.

• O Troféu ‘Gralha Azul’ está em sua 35ª Edição e é promovido pelo Centro Cultural Teatro Guaíra em co-promoção com o SATED/PR e o SEPED/PR.

• Participação em Seminários e Encontros Nacionais da categoria de Artes Cênicas e representação no Conselho Deliberativo do INACEM/MINC/DF, por duas gestões consecutivas.

• Representação junto a Comissão Estadual de Artes Cênicas do Paraná.

• Representação em Comissões de Avaliação de Editais de ocupação dos Auditórios da Fundação Teatro Guaíra/FTG, hoje Centro Cultural Teatro Guaíra/CCTG.

• Representação na Assembléia Nacional Constituinte/Congresso Nacional/DF, que culminou na Constituição Federal/88, sendo o SATED/PR depositário de toda a documentação a ele referente no mandato de Yara Sarmento (1.987 a 1.990).

• Representação na qualidade de Presidência de 02 (dois) Seminários Nacionais de Artes Cênicas.

• Representação da classe de artistas e técnicos cênicos no Conselho de Administração do Centro Cultural Teatro Guaíra.

• Participação em diversas Comissões Organizadoras em vários Festivais Estaduais e Nacionais de Artes Cênicas.

• Representação em Comissões de Julgamento de Projetos Culturais nas Áreas de Audiovisual e Artes Cênicas, referentes a Leis de Incentivo – Lei Municipal de Incentivo à Cultura (Mecenato/CMIC e Fundo Municipal).

• Participação na formulação da Lei Municipal de Incentivo à Cultura e da Lei Estadual de Incentivo à Cultura.

• Atuação junto a Federação e Confederação dos Trabalhadores em Empresas de Difusão Cultural e Artística.

• Promoção de Exames de Capacitação Profissional para Atores, Atrizes em Curitiba, Londrina, Paranavaí e Cascavel.

• Promoção de Exames de Capacitação Profissional para Bailarinos e Dançarinos.

• Promoção de Cursos de Preparação e Capacitação Profissional para Diretor de Produção em Curitiba e no interior do Estado.

• Participação em Encontros de Artes Cênicas, ministrando palestras sobre Profissionalização de Artistas e Técnicos.

• Participação na qualidade de Secretaria/Coordenação do Fórum das Entidades Culturais de Curitiba e do Paraná.